2º ENBA – Encontro Nacional Bike Anjo

senba

Não perca essa oportunidade de conhecer e trocar experiências com ciclistas de mais de 20 cidades presentes no encontro!

Nos dias 4,5 e 6 de dezembro, mais de 50 ciclistas, de cerca de 20 cidades do Brasil, estarão presentes em Belo Horizonte para o 2º Encontro Nacional do Bike Anjo, momento de planejamento interno do Bike Anjo, mas também de troca de conhecimento e informação entre pessoas que têm promovido o uso da bicicleta como modo de transporte Brasil afora.

Veja a programação:
Continuar lendo

Anúncios

Dia Mundial de Bike ao Trabalho 2015

De bike ao trabalho

A terceira edição brasileira do “Dia de Bike ao Trabalho“, acontece no dia 8 de maio. Em Belo Horizonte várias ações estão programadas para a data. O objetivo do evento é conscientizar a população sobre as vantagens de usar a bicicleta como meio de transporte. Este ano a organização do evento pretende cumprir um desafio: convidar líderes de empresas públicas ou privadas a ir pedalando ao trabalho nesse dia. É consenso que o trânsito das cidades brasileiras está cada vez mais caótico. Com poucas opções de transporte, os cidadãos brasileiros – independente de classe social vem perdendo cada vez mais tempo no trânsito, gerando mais estresse e menos qualidade de vida, em um ciclo vicioso cada vez mais difícil de apaziguar. Diversas cidades do mundo têm adotado formas mais sustentáveis de locomoção e a bicicleta vem despontando como uma boa opção uma vez que é um veículo limpo, eficiente, que melhora a qualidade de vida da população.

Para estimular o uso da bicicleta nas cidades o Bike Anjo, uma rede de ciclistas voluntários espalhados pelo país, promove pelo terceiro ano a campanha nacional “De Bike ao Trabalho”, na qual criam ações para estimular o uso da bicicleta como meio de transporte saudável, inteligente e sustentável. Inspirado no Bike To Work Day, evento anual realizado em várias partes do mundo para promover a bicicleta como uma opção de transporte para o trabalho, ele acontecerá no próximo dia 08 de maio de 2015.

Várias ações acontecerão em quase 200 cidades pelo Brasil. Belo Horizonte não ficará de fora dessa iniciativa. Dentro das atividades que serão realizadas por aqui, está o ‘Desafio de Líderes’. “A ideia é desafiarmos líderes de empresas públicas e privadas a irem ao trabalho nesse dia usando a bicicleta como principal meio de transporte. Nós, do Bike Anjo, estamos certos de que essa iniciativa tem um grande potencial para estimular mais pessoas a se tornarem ciclistas urbanos e principalmente servindo de exemplo a seus comandados”, escreveu o Bike Anjo, Carlos Edward Campos.

Além do desafio para lideres as atividades que integram a programação em BH incluem:

  • 07.05 (quinta) – 19h – Lançamento do livo “A Bicicleta no Brasil“. Casa do Jornalista (Av. Alvares Cabral, 400).
  • 08.05 (sexta)
    • 07h às 11h – Ciclovia da Av. Bernardo Monteiro com Av. Afonso Pena
      •  Café da manhã para os ciclistas a partir das 07h, parceria com o projeto Socializando o Ciclo da BH em Ciclo;
      • Bike Blitz, fazendo pequenos reparos e regulagens nas bicicletas, parceria da BH em ciclo com o Atelier Bicicine.
      • distribuição de material informativo com dicas de como pedalar para o trabalho além de bate papo e entrevistas com os ciclistas que passarem.
    • Toda a equipe do Programa Pedala BH, da PBH/BHTrans, aceitou nosso desafio de ir #DeBikeAoTrabalho. O Coordenador do Plano de Mobilidade e do Observatório de Mobilidade de BH, Marcelo Cintra, 50, e a Coordenadora do Programa Pedala BH, Eveline Trevisan, 47, irão documentar o seu trajeto e nos fazer um relato de sua experiência.
    • 19:30h – Happy Hour no Pedal & Prosa Café (Rua Padre Marinho, 321 ­ Santa Efigênia). Entrega da premiação do Concurso fotográfico com o tema de De Bike ao Trabalho , andamento na fanpage do Bike Anjo BH.
    • Durante todo o dia o sistema Bike BH de Bicicletas Compartilhadas terá passe livre! Veja aqui como funcionará.

 

Dia Mundial de Bike ao Trabalho 2015

8 de Maio de 2015
Das 7h às 11h – Av. Bernardo Monteiro esquina de Afonso Pena – BH – MG.

 

Oficinas de Capacitação da Rede Bike Anjo

A rede Bike Anjo possui mais de 1000 voluntários espalhados pelo Brasil e também em outros países. Muitos deles já participam de outros movimentos, ongs, associações de ciclistas que promovem ações relativas à melhoria da mobilidade por bicicleta nas cidades. E muitos, muitos outros, tem interesse em iniciar nessas atividades seja aderindo a grupos de suas cidades, seja iniciando esse trabalho onde ainda não exista.

Pensando nisso, o Bike Anjo já realizou 4 oficinas online, com rico conteúdo de apresentações e bate-papos transmitidos ao vivo com ideias, propostas e ações que já ocorrem país a fora.

Clique nos Banners abaixo para acessar cada uma das oficinas. Todo o conteúdo é de acesso aberto e gratuito.

Pedal por BH – 26/02

Embora o blog seja sobre o uso de bicicletas nas vias urbanas e rurais, não se exclui daqui as informações relativas ao cumprimento ou não das regras de trânsito previstas no Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Hoje,em um passeio com três iniciantes no pedalar urbano (duas mulheres e uma criança), o descaso pelas leis de trânsito, por conta dos motoristas de veículos de tração, visto por eles, e confirmado por mim, foi impressionante. Partimos do bairro da Graça, descendo por dentro do bairro e cruzamos a rua Jacuí. Optei por não levá-los por uma via de maior fluxo, por conta da inexperiência de dois dos pedalantes e pela falta de resposta física dos três. Adentramos o bairro Concórdia e fomos no sentido da Avenida Bernardo Vasconcelos. Ao chegarmos na mesma, vi que a opção seria andar pelo passeio, por conta do alto fluxo e da velocidade “assustadora” dos veículos de tração.

(Embora haja uma imensa discussão sobre essa prática, andar pelo passeio, com baixa velocidade, para iniciantes não é uma opção ruim quando a outra é se arriscar em uma via com alto fluxo e de velocidade máxima de 60km/h, com vários cruzamentos).

Ao chegarmos ao início da ciclovia da av. Américo Vespúcio, lhes disse para ficarem atentos aos cruzamentos e aos pedestres que insistiriam em transitar nas faixas da ciclovia, mesmo com passeio ao lado. Pode parecer dúbio e contraditório o relato, por conta de termos andado no passeio logo antes. A diferença é que eles poderiam andar no passeio sem correr riscos, nós (os três pedalantes) correriam grande risco de vida caso transitassem pela avenida supracitada, no perímetro mencionado (cerca de 1,5km).

Seguimos pela ciclovia e não foi surpresa alguma. Os artigos do CTB abaixo foram desrespeitados a cada 50m. Não era para embarque e desembarque, entrada em garagens ou algum tipo de situação que o “bom senso” falaria mais alto. Devemos prezar pela coerência e pelo respeito às regras  jurídicas, mas há uma que vale muito e não está em manual algum, as regras de convívio social. Os veículos estavam estacionados (sem condutor no interior do veículo) na ciclovia, no sentido da mesma, e nos passeio, no sentido oposto, ou seja, ocupando o passeio inteiro. Mesmo que, nesse perímetro, não transitássemos no passeio ,por conta de existir um local específico e exclusivo para bicicletas, os pedestres tinham de adentrar a ciclovia para seguirem seus destinos. Os carros parados sobre o passeio estavam desde sem ninguém até sendo lavados por três homens. Homens esses que, por alguma razão, estavam conversando dentro da ciclovia, nos viram aproximando e se quer se moveram de seus locais. Tivemos que desviar para não colidirmos.

Continuamos seguindo a ciclovia e a vontade dos pedrestres de andarem nas faixas dela nos chamou atenção. Na volta, pedimos para que um grupo de pedestres (um casal e duas meninas – cerca de 12 anos cada) andasse no passeio, por conta do local reservado para eles e para nós (vimos apenas mais três bicicletas fazendo uso da ciclovia). Os indivíduos acharam ruim conosco e falaram algumas coisas que não vale a pena retratar aqui.

Continuamos voltando e vimos um homem empurrando uma senhora, muito idosa, em uma cadeira de rodas pela ciclovia.. Alertei os demais ciclistas para tomarem cuidado com eles. Nesse ponto entra o bom senso e a sabedoria de como conviver em uma sociedade altamente (se é que há grau para isso) heterogêna. Os passeios da avenida Américo Vespúcio, embora muito largos, são de difícil acesso para um cadeirante, por conta das irregulares de uma “casa para outra”, das raízes, dos carros estacionados/parados, e demais dificuldade que os deficientes encontrar nas ruas da nossa capital, mas nada que seja complicado para pedestres com plena capacidade de se locomover. Não me parece nada problemática tal situação. Passamos pelo homem, que tirou a cadeira da nossa frente quando nos viu, e a senhora e agrademos. Terminamos o percurso da ciclovia com algumas constatações sobre ela:

1. Faz-se FUNDAMENTAL o acréscimo de sinais luminosos para indicação de que a bicicleta pode ir ou não nos cruzamentos. Diga-se de passagem, são muitos.

2. Assim como nas demais ciclovias da capital, a falta de sinalização, para o pedestre, de como (não) usar a ciclovia é um problema grave.

3. O descumprimento dos códigos de trãnsito abaixo é outra questão não solvida, mas em toda a capital, não só nas ciclovias.

4. A imprudência dos motoristas e motociclistas é algo que incomoda quem já anda de bicicleta nas ruas de BH e arrepia/amedronta os que querem começar ou estão começando.

Voltamos para o bairro e nenhum problema, para além dos já citados, ocorreu.

A noção de espaço e o respeito ao espaço é o maior problema do trânsito. Talvez ela seja parte de uma educação para o trânsito, mas é , antes disso, parte da educação das pessoas para a vivência em sociedade.

__________________________________________________________

Percurso total – cerca de 10km com subidas e descidas leves.

Velocidade média – 11.1km/h.

Nenhum pneu furado, corrente estourada ou maior problemas mecânicos.

__________________________________________________________

Art. 181. Estacionar o veículo:

        VIII – no passeio ou sobre faixa destinada a pedestre, sobre ciclovia ou ciclofaixa, bem como nas ilhas, refúgios, ao lado ou sobre canteiros centrais, divisores de pista de rolamento, marcas de canalização, gramados ou jardim público:

Infração – grave;

Penalidade – multa;

Medida administrativa – remoção do veículo;

XIII – onde houver sinalização horizontal delimitadora de ponto de embarque ou desembarque de passageiros de transporte coletivo ou, na inexistência desta sinalização, no intervalo compreendido entre dez metros antes e depois do marco do ponto:

Infração – média;

Penalidade – multa;

Medida administrativa – remoção do veículo;

Art. 182. Parar o veículo:

VI – no passeio ou sobre faixa destinada a pedestres, nas ilhas, refúgios, canteiros centrais e divisores de pista de rolamento e marcas de canalização:

Infração – leve;

Penalidade – multa;